Publicidade

segunda-feira, 25 de março de 2013 Inglaterra | 21:57

A batalha de Podgorica

Compartilhe: Twitter

A Inglaterra não pode falhar contra Montenegro no Leste Europeu. Dois pontos abaixo do adversário de amanhã, a seleção de Roy Hodgson tentará, no confronto direto, assumir a liderança do Grupo H das Eliminatórias para a Copa do Mundo do ano que vem. A visita a Podgorica não é simples. Nas Eliminatórias para a Euro 2012, por exemplo, houve empate por 2 a 2 numa partida dramática, com expulsão de Rooney e confirmação da classificação inglesa.

O cenário desta terça-feira é mais perigoso. Ainda que as seleções precisem se enfrentar em Wembley (onde, nas Eliminatórias para a Euro 2012, a Inglaterra foi travada e não saiu do 0 a 0) daqui a sete meses, a vantagem na tabela oferece aos montenegrinos a possibilidade de jogar como eles gostam. Em declaração publicada hoje pelo Guardian, o técnico Branko Brnovic assumiu que “talvez estacione um ônibus na defesa e tenha duas Ferraris no ataque”.

As duas Ferraris são Stevan Jovetic, da Fiorentina, e Mirko Vucinic, da Juventus, atacantes ótimos e flexíveis que podem aproveitar eventuais espaços. Defesa disciplinada e ataque autossuficiente, marcas registradas dos montenegrinos, costumam ser um terror para a Inglaterra, que nos últimos ciclos mostra impressionante falta de traquejo para propor o jogo, algo que será necessário amanhã.

A Inglaterra foi incapaz de vencer Montenegro nas Eliminatórias para a Euro 2012. Desta vez, empatar não basta

Mas há um alento. O time que entregou a bola ao adversário e se limitou a contra-ataques em amistosos, na Euro e nas Eliminatórias parece ter percebido que precisaria mudar para evitar um fiasco na busca por uma vaga em 2014. Não pela goleada por 8 a 0 sobre San Marino, na sexta-feira, mas especialmente pela atuação no amistoso contra o Brasil, no início de fevereiro. Foi quando o 4-1-4-1 de Hodgson avançou a marcação e causou problemas constantes à defesa de Scolari. Por outro lado, a ausência do lesionado Wilshere atrapalha a execução de um “futebol moderno” em Montenegro.

É claro que a partida em San Marino não serve de parâmetro em função da debilidade do oponente, mas houve um ponto interessante na postura da Inglaterra. Diante de um adversário que não representava ameaça, Baines foi escalado na função “Jordi Alba”. Alba se transformou em peça fundamental para a Espanha durante a Euro porque, embora estivesse listado como defensor, era ele quem avançava pela esquerda e oferecia uma rara opção por um dos lados do campo. Exatamente o que fez um participativo Baines contra San Marino.

A presença do lateral do Everton, em vez de Ashley Cole, seria um indício de que Hodgson está preparado para atacar Montenegro e superar uma defesa que deve congestionar a faixa central. Mas este será apenas um dos testes para um time obrigado a agredir. A Inglaterra não tem o direito de repetir o péssimo desempenho dos empates contra Ucrânia e Polônia.

Página do blog no Facebook

Autor: Tags: ,

4 comentários | Comentar

  1. 24 rodrigo 05/04/2013 12:27

    Atualize o blog!

    Responder
  2. 23 Claudio Roberto 05/04/2013 10:46

    cadê o Daniel Leite, e seus topicos..
    11 dias e ausencia, e ja aconteceu muitas coisas, FA CUP, Premier League, liga europa, selção inglesa, entre outros…
    Atualize daniel.
    At.

    Responder
  3. 22 Roberto Junior 26/03/2013 20:22

    É, um empate e olhe lá. Agora é resolver a parada em Wembley…

    Responder
  4. 21 Pedro Stofel 26/03/2013 8:33

    Daniel,O nosso Wilshere machucou mais uma vez,pela sua experiencia,vosse diria que isso será um constante na carreira dele.Se ele sendo tão jovem não sai do departamento médico,então ele vai passar a carreira lidando com lesões,como os “irmãos”(Michal)Owen(Hargreaves).Sendo na melhor das hipoteses um Van Persie.Ou eu estou errado,e ele pode atingir a força de um CR7 e Messi que nunca machucam e nunca deixam o seu time na mão.

    Responder
    • Daniel Leite 26/03/2013 13:32

      A preocupação é generalizada. Não se trata apenas da rotina de lesões, mas também da dificuldade de retornar no prazo inicialmente estabelecido. Resta torcer para que o talento não seja desperdiçado.

  1. ver todos os comentários
 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios