Publicidade

Arquivo da Categoria Birmingham

sábado, 25 de junho de 2011 Aston Villa, Birmingham, Treinadores | 17:16

A unanimidade de Birmingham

Compartilhe: Twitter

O número 1 exibido pelo novo treinador do Aston Villa, Alex McLeish, representa bem sua posição na segunda metrópole britânica. A deselegância ao se demitir do Birmingham City por e-mail e o sim ao rival Villa o transformaram no sujeito mais odiado da cidade. O trabalho de quatro anos em St Andrew’s começou e terminou com rebaixamentos, mas o saldo é curiosamente positivo.

McLeish rendeu ao Birmingham uma pronta recuperação após a primeira queda, um excelente nono lugar na temporada seguinte e o único título do clube em 48 anos. O surpreendente rebaixamento em 2010-11 não abalou muito de seu prestígio, e o escocês manteve o nome forte no mercado inglês. A questão é mesmo a oportuna mudança para o Villa Park, onde foi muito mal recebido.

O técnico já foi eleito o responsável por todos os problemas dos dois clubes. Ao City, ele deixou o limitado atacante Marlon King como última contratação. Demitido pelo Newcastle em dezembro, Chris Hughton assume seu lugar para as disputas da Championship e da Liga Europa e sabe que não será o principal culpado por eventuais maus resultados. No Villa, uma pressão incompatível o espera.

O perfil do escocês, treinador talentoso que ainda precisa se afirmar na Inglaterra, parece adequado após uma temporada complicada com Gérard Houllier. A dificuldade está no tempo que ele não vai ter e na obscura situação do Villa, de objetivo indefinido. O sucesso de Martin O’Neill e a enganosa nona posição de 2010-11 obrigam McLeish a uma campanha de top 10 com um elenco problemático.

Ninguém queria treinar o Aston Villa. Roberto Martínez, por exemplo, preferiu ficar no Wigan a triplicar o salário. A venda de Ashley Young ao Manchester United e a provável mudança de Stewart Downing para o Liverpool destroem a criatividade do time. A turma da base é boa, mas se revelou imatura no primeiro semestre da última temporada, quando houve uma crise de lesões no elenco.

McLeish é defensivista. Seu Birmingham fez só 37 gols na Premier League, menos do que Cristiano Ronaldo em La Liga. Sem o ótimo goleiro Friedel e com Dunne de volta ao seu normal (o que não é bom), ele vai ter de trabalhar muito para reeditar no Villa a defesa forte do City. A grande vantagem em relação a St Andrew’s é a presença de Darren Bent, o melhor atacante do clube desde Dwight Yorke.

Se há algum bom sinal para McLeish, é o fato de ele ter se destacado justamente quando não havia muitos recursos. Com mais investimento no Birmingham, ele se perdeu. O escocês precisa de definição rápida e repetição do time, chave para seu sucesso há duas temporadas. Reposição mínima das perdas, início forte para contornar a revolta da torcida e sorte com a condição física são obrigatórios.

*McLeish é o segundo a treinar os dois times de Birmingham. O primeiro foi Ron Saunders, campeão inglês pelo Villa em 1981.

Autor: Tags: , ,

domingo, 27 de fevereiro de 2011 Arsenal, Birmingham, Copas Nacionais, Temporada | 20:37

McLeish merece a Copa da Liga

Compartilhe: Twitter

Fàbregas, que acabava de completar 18 anos, comemorou muito o último título do Arsenal, a FA Cup de 2004-05

É difícil decidir qual fila pesava mais: a de 48 anos do Birmingham ou a de seis do Arsenal. A lamentação dos Gunners, bem representada pelas lágrimas do grande Wilshere, foi do tamanho da comemoração dos jogadores e torcedores azuis. Após a vitória por 2 a 1, o Brum levou a Carling Cup, apenas seu segundo título de primeira grandeza. Em temporada superior a 2009-10, os Gunners sofrem um baque terrível com a perda da taça. Mas não dependia só deles. Do outro lado, havia um time pronto para tornar as coisas mais complicadas.

A tentação de atribuir o resultado a uma suposta amarelada de um Arsenal sem Vermaelen, Fàbregas e Walcott não pode encobrir a notável atuação do Birmingham, que também tinha seus desfalques. Alex McLeish armou um 4-1-4-1 para segurar os três meias adversários e explorar a altura de Zigic. Apesar da maior cautela, o time de hoje em muito lembrou o da temporada passada, que se defendia bem demais e terminou a liga no nono lugar. Apontado como candidato ao rebaixamento, aquele conjunto se superou a partir da força defensiva de Hart, Carr, Dann, Johnson e Ridgewell. Hart retornou a Manchester, e Dann está fora da temporada. Problema? Não para Foster e Jiranek, impecáveis na final.

Aliás, Foster está entre os cinco melhores goleiros da Premier League. Contestado por conta de falhas esporádicas em Old Trafford, o tricampeão consecutivo da Carling Cup desfruta o prêmio de melhor do jogo e a grande temporada que tem feito. O título é um boost para ele e para uma defesa que não conseguia reeditar o bom desempenho de 2009-10. E também para Alex McLeish, treinador que, por um semestre ruim, teve o emprego ameaçado após reconstruir o Birmingham nas últimas duas de suas três temporadas em St Andrew’s.

A temporada passada anunciou que McLeish entraria para a história do Birmingham

O time de 2009-10, anterior aos razoáveis investimentos do proprietário chinês Carson Yeung, era mais humilde, mas a repetição o tornou muito forte: Hart; Carr, Dann, Johnson, Ridgewell; Larsson, Ferguson, Bowyer, McFadden; Chucho Benítez e Jerome foram os titulares por nove jogos consecutivos! A consistência deu à equipe sua melhor fase naquela temporada. É a tal da “química”, escassa quando chegaram Beausejour, Hleb, Zigic e Derbyshire, que se revezavam enquanto o treinador não encontrava um time e um rumo.

A atual 16ª posição na liga (com dois jogos a menos) é consequência de um início decepcionante. Nos últimos 13 jogos por todas as competições, o time venceu oito. O título ratifica a fase mais tranquila e premia o bom trabalho de três anos que tem feito McLeish. “Foi minha maior conquista pessoal”, diz ele. O escocês merece o título. O ataque, que decidiu a parada com Zigic e Martins, precisa capitalizá-lo. Jerome, Derbyshire, Phillips e os goleadores do dia: toda essa artilharia aí é a pior da Premier League com apenas 25 gols.

Premier League
O garoto Jonjo Heuerman concluiu sua caminhada e acredita ter arrecadado cerca de 20 mil libras (o dobro do mínimo planejado) ao Fundo Bobby Moore para Pesquisa sobre o Câncer. Foi um dia e tanto: ele ainda comemorou a ótima vitória do West Ham sobre o Liverpool. O hammer Scott Parker, que marcou um golaço, está em nossa seleção do fim de semana: van der Sar (Man Utd); Walker (Aston Villa), Hangeland (Fulham), Jagielka (Everton), José Enrique (Newcastle); Ashley Young (Aston Villa), Parker (West Ham), O’Hara (Wolves), Jarvis (Wolves); Chicharito (Man Utd), Beckford (Everton).

Autor: Tags: , , , , , , , , , , ,