Publicidade

Posts com a Tag gomes

quarta-feira, 13 de abril de 2011 Chelsea, Copas Europeias, Tottenham | 19:58

Tchau, final caseira

Compartilhe: Twitter

Na temporada em que dispensou Mourinho, Abramovich perdeu a Champions em sua Rússia

Os sorteios das oitavas e das quartas-de-final já esboçavam outro fracasso londrino na corrida pelo primeiro título da Champions League. Desta vez, para não aliviá-lo, a final será em Wembley. Do Arsenal, jogado ao Barcelona, a coluna já falou. É hora de discutir as eliminações de Chelsea e Tottenham e suas consequências.

A palavra “fracasso” soa mais apropriada quando a associamos ao Chelsea. Não parece haver uma teoria correta sobre aquele debate de sonho ou obsessão. Roman Abramovich capturou Torres pensando na Champions, mas aproveitou janeiro também para iniciar um tardio processo de reconstrução, que incluiu o inelegível David Luiz.

Quem investe pesadamente há oito anos deve ter uma visão mais pragmática. Mas os torcedores ou mesmo figuras históricas do clube certamente tratam uma eventual conquista de modo mais emotivo, como um sonho mesmo. O choro de Terry na decisão de 2008 deixou isso bem claro.

Ontem, Ancelotti tentou reconstituir o ambiente de sua última vitória em Old Trafford: 4-3-3 e Drogba no banco. Só que 2009-10 não volta mais. O esquema da derrocada na Champions, que havia feito tanto sucesso na temporada passada, foi o mesmo que naufragou no fim de 2010, quando o Chelsea mal podia ganhar um jogo.

Ao abandonar o 4-4-2, que havia ressuscitado o time na temporada, e concentrar as esperanças em Lampard e Torres, ainda sem marcar pelo Chelsea, Ancelotti apostou na má fase. O meia saiu de sua melhor temporada (nos números, ao menos) para a pior. Em 37 jogos, Torres fez ridículos nove gols em 2010-11, um a menos que o emprestado Sturridge, arrebentando no Bolton.

A queda pode custar o emprego a Ancelotti, que errou ao prescindir de Drogba. No entanto, o mau momento generalizado pesa mais que as decisões dele. O elenco deve ter retornos importantes, mas ainda carecerá de um lateral-direito decente e alternativas aos trintões Cole, Malouda, Lampard e Drogba. O Chelsea fracassa porque confiou nas figuras da temporada passada, que não existem mais.

Organizador de mão cheia, Modric é fundamental a qualquer pretensão do Tottenham

Sem lamentações
No norte de Londres, a situação é bem diferente. O Tottenham foi atropelado pelo Real Madrid, mas a eliminação não anula a ótima campanha. Os Spurs foram a primeira surpresa da Inglaterra na Champions em cinco anos. O Everton de 2005-06 caiu logo na fase preliminar, contra o Villarreal. O Tottenham, ao contrário, capitalizou a chance.

A atmosfera de hoje em White Hart Lane, quente mesmo após a derrapada de Gomes, confirma o que o elenco representa para a história do clube. Com vitórias marcantes e tanta gente brilhando em boa parte da Champions, o Tottenham ganhou tarimba e ratificou a base do time.

O desafio imediato é retornar à disputa, talvez já na próxima temporada. Conservar os jogadores-chave, reparar as duas laterais (a direita pode até ser de Kyle Walker, emprestado ao Aston Villa) e arrumar um atacante mais eficiente são passos importantes. Tudo isso sem abalar a cumplicidade entre torcida e jogadores.

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011 Copas Europeias, Tottenham | 21:45

Arrancada para a vitória

Compartilhe: Twitter

Há um ano e meio, Aaron Lennon era o melhor jogador do Tottenham. Arrancava com sucesso dez, quinze vezes por jogo e atormentava os laterais-esquerdos adversários. No entanto, uma lesão na virilha no fim de 2009 quebrou o encanto. Duas datas previstas para o retorno foram derrubadas, Lennon voltou apenas em abril, perdeu a chance de ser destaque na Copa e jamais retomou a velha forma. Mas hoje, quando o time mais precisava do repertório dele, o winger puxou contra-ataque em velocidade impressionante, deixou Yepes deitado e ofereceu o gol da vitória no San Siro a Peter Crouch.

Decisivo em nível continental, Crouch atribui a Lennon seu sétimo gol na temporada da Champions League. Reuters

Aliás, que vitória de caráter – e de elenco – do Tottenham! Gallas, Pienaar, Sandro e Palacios substituíram Kaboul, Bale, Modric (que ingressou no segundo tempo) e Huddlestone a contento. Dawson, promissor no Nothingham Forest e por vezes vezes falho em White Hart Lane, resgatou a boa fase após a desastrosa exibição contra o Fulham e fez a partida da vida dele ao barrar Ibra. Gomes foi gigante no segundo tempo, de maior volume milanista. Palacios e Sandro, que deve ganhar espaço depois de hoje, seguraram Seedorf e Robinho. A parceria entre Crouch e van der Vaart, um autêntico atacante, deu muito certo no primeiro tempo.

Os italianos acusaram muito mais os desfalques. Rino Gattuso tentou compensá-los com a tradicional intensidade, que hoje passou do ponto. Ele empurrou até o assistente-técnico do Tottenham, o escocês e também esquentado Joe Jordan, que foi rossonero nos tempos de atacante. Fato é que, hoje, ninguém de branco se intimidou. Os Spurs mereceram o resultado e tomaram o favoritismo. Bale, Modric e até Huddlestone devem estar bem para a volta, em 9 de março, quando os laterais Abate e Antonini certamente serão muito atacados.

O Milan não terá o suspenso Gattuso, seus três inelegíveis (Cassano, van Bommel e Emanuelson) e pode ainda não ter Ambrosini e Pirlo, cujas ausências tiraram Thiago Silva da defesa e, para a alegria de Lennon, abriram espaço a Yepes. Redknapp lamenta apenas a lesão de Corluka, que deve obrigá-lo a resgatar Hutton. Por que, afinal, ele emprestou Kyle Walker ao Aston Villa? No fim das contas, foi interessante ver o retorno de Woodgate (sim, ele mesmo), que não jogava desde novembro de 2009.

Com o resultado, o Tottenham se junta a Liverpool, Manchester United e Arsenal, todos com vitórias recentes no San Siro. E, se estamos falando de rivalidades acirradas nos últimos anos, não podemos esquecer o Arsenal-Barcelona de amanhã. Desde que retornou à Champions League, em 2004, o Barça se chocou várias vezes com clubes ingleses: Chelsea (oitavas de 2005 e 2006, fase de grupos de 2006 e semifinais de 2009), Manchester United (semifinais de 2008 e final de 2009), Liverpool (oitavas de 2007) e o próprio Arsenal (final de 2006 e quartas de 2010). Descontando os duelos da fase de grupos, os blaugranas eliminaram os ingleses cinco vezes e caíram em três ocasiões. A chance do Arsenal de diminuir o prejuízo é amanhã, no Emirates.

Braitner Moreira, editor do Tripletta, analisa aqui a postura do Milan.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,

sexta-feira, 7 de maio de 2010 Sem categoria | 10:02

SPURS NA CHAMPIONS

Compartilhe: Twitter

Bem, até agora não havia postado nada sobre a histórica vitória do Tottenham sobre o Manchester City, em Manchester, na quarta-feira passada, e a conseqüente classificação inédita para a Champions League do time londrino.

O próprio técnico Harry Redknapp declarou que o feito é maior do que o título da FA Cup que conseguiu pelo Portsmouth em 2008. O modo como as coisas aconteceram tornou a classificação ainda mais especial. Faltando seis rodadas, os Spurs tinham pela frente ninguém menos que Arsenal, Chelsea, Man United e o próprio City (fora), além de Bolton e Burnley. Somente os Red Devils conseguiram arrancar pontos do time de Londres.

Será a primeira vez desde 2003/2004 que a Liga dos Campeões não terá um dos “quatro grandes” ingleses. Embora já tenha vencido a extinta Recopa européia (Cup Winners´ Cup, disputada pelos vencedores de copas nacionais), em 1973, e duas edições da Copa da Uefa, em 1972 (edição inaugural) e 1984, esta será a primeira vez que o Tottenham disputa a competição mais importante do continente.

E, justiça seja feita, o goleiro Gomes é um dos maiores responsáveis pela conquista. Presente em 31 dos 37 jogos do time até agora – ele se machucou no início da temporada -, o brasileiro manteve a regularidade e foi decisivo em vários jogos. Outros jogadores foram importantes, porém em fases diferentes. Como Modric, por exemplo, que quebrou a perna no quarto jogo da temporada e desfalcou a equipe por 13 partidas. Ou Ledley King, hoje provavelmente o melhor zagueiro inglês, mas que não pode jogar frequentemente (só fez 19 jogos). Defoe marcou muito gols no início, mas caiu de produção na metade final do campeonato. Bale, talvez o jogador mais importante da equipe nessa reta final, só despontou agora no últimos três meses. O resto da equipe se revezou nas grandes atuações. Ora Dawson, ora Huddlestone (com o gol fundamental contra o Bolton). Mas Gomes esteve sempre presente e sem os erros que o afligiram na temporada passada. Não será surpresa se o goleiro vencer o prêmio de jogador do ano do Tottenham.

Sobre a briga pela vaga contra o City, não dá para dizer que o primo pobre venceu o primo rico. Os Spurs foram vice-campeões em gastança nas duas últimas temporadas e isso é um bom indicativo que a equipe vai brigar por alguma coisa na próxima Champions.

Abaixo, o banho de água gelada que os jogadores deram no sério técnico Harry Redknapp.

Autor: Tags: , , , ,

domingo, 2 de maio de 2010 Sem categoria | 20:59

RESTA UMA

Compartilhe: Twitter

Manchester City 3 x 1 Aston Villa
Confronto de seis pontos por vaga na Champions deu o esperado, embora o Villa tenha saído na frente. Mas o City virou o jogo com dois gols em 90 segundos – um deles num pênalti duvidoso convertido por Tevez -, bem no finalzinho do 1º tempo. Bellamy ampliou com um golaço, tanto pela arrancada de Shaun Wright-Phillips no contra-ataque, quanto pela conclusão do galês no ângulo de Friedel. Com apenas um jogo pela frente, o Villa vai ter de se contentar com a Liga Europa novamente.

Tottenham 1 x 0 Bolton
Um torpedo de Huddlestone manteve os Spurs um pontinho a frente do City, o suficiente para que joguem pelo empate na partida entre as duas equipes  na quarta-feira. Apesar do placra apertado, os Spurs jogaram bem e poderiam ter feito mais gols. Bale, jogando novamente mais adiantado, esteve infernal. Gomes não foi muito exigido, fez apenas uma defesa difícil, mas o brasileiro deixou o campo com um problema na virilha. Seu reserva imediato, Cudicini, sofreu acidente de moto há alguns meses e, atualmente, é Ben Alnwick quem fica no banco. Nem por isso Harry Redknapp pensa em contratar um goleiro de emergência como fez o City. Mas que a torcida dos Spurs faz preces para a recuperação de Gomes, disso não tenho dúvida.

Enfim, quarta-feira tem Man City x Tottenham. É uma final de campeonato. O vencedor leva a vaga da Champions e uma boa grana. Não que isso seja importante para o City, mas é fundamental para que jogadores de alto nível aceitem uma transferência para Eastlands. No caso do Tottenham, a grana é importante sim, mas jogar a Champions depois de tanto tempo é o prêmio maior para quem ainda não tem chance de vencer a Liga.

Gomes machucou-se nos acréscimos e é dúvida para quarta-feira (foto AP)

Autor: Tags: , , , ,

segunda-feira, 19 de abril de 2010 Sem categoria | 01:41

O DIABO VERMELHO ESTÁ VIVO

Compartilhe: Twitter

Abre o caixão que o morto deu sinal de vida! Pois é, todo mundo pensou que o título da Premiership já era do Chelsea. Uma vitória sobre os Spurs e uma derrota do United para o rival City eram prováveis e a diferença dos Blues para o vice-líder Man United ampliaria para sete pontos (com nove a serem disputados). Seria o fim. Mas aconteceu o oposto. Um gol de Scholes aos 49’ da etapa final levou os três pontos para o lado vermelho de Manchester. Mais tarde, o líder Chelsea tropeçaria em White Hart Lane contra o Tottenham. Para deixar ainda mais emocionante essa rodada, só faltava o Arsenal bater o Wigan, ameaçado de rebaixamento. Mas os Gunners pisaram na bola de novo e entregaram um jogo que tinham nas mãos.

PELO TÍTULO

CHELSEA:
– Stoke (em casa)
– Liverpool (fora)
– Wigan (em casa)

MAN UNITED:
– Tottenham (em casa)
– Sunderland (fora)
– Stoke (em casa)

A briga pela quarta vaga da Champions, a menos que um milagre aconteça, continua somente entre Man City e Tottenham. A vitória dos Spurs sobre o Chelsea e a derrota do City para os Red Devils devolveram ao time de Londres essa quarta colocação. Para eles, ainda faltam quatro rodadas.

PELA VAGA DA CHAMPIONS

TOTTENHAM
– Man United (fora)
– Bolton (em casa)
– Man City (fora)
– Burnley (fora)

MAN CITY
– Arsenal (fora)
– Aston Villa (em casa)
– Tottenham (em casa)
– West Ham (fora)

RESULTADOS DESSA RODADA
(valendo título)

Manchester City 0 x 1 Manchester United
No 1º turno, Michael Owen havia marcado aos 50 do 2º tempo e Mark Hughes reclamou demais que o árbitro deveria ter encerrado o jogo antes. Dessa vez, ainda faltavam 17 segundos quando Scholes colocou os Red Devils não só na frente do placar como também de volta à briga pelo título inglês. Dos dois times, o United parecia mais satisfeito com o resultado. Mas Scholes, como é comum nos volantes do time de Alex Ferguson, não se contentou apenas em defender. O volante de 35 anos, de contrato renovado antes da partida por mais uma temporada, foi ao ataque para marcar com uma cabeçada precisa.

Tottenham  2 x 1 Chelsea
Se não fosse Petr Cech, os Spurs teriam goleado. Só que, como quem não faz acaba levando, o Chelsea descontou aos 45’ do 2º tempo e acabou colocando fogo nos cinco minutos restantes de acréscimo. Mais uma boa partida de Gomes, que fez uma defesaça num chute de Lampard logo após o segundo gol de sua equipe. John Terry teve uma noite para ser esquecida. O árbitro marcou pênalti do inglês (não acredito que o toque de braço, se é que houve, tenha sido proposital) no primeiro gol convertido por Defoe. Depois no intervalo, discutiu com um torcedor na boca do túnel. Já no 2º tempo, levou dois amarelos em três minutos e foi expulso. No Tottenham, Bale jogou demais novamente. O garoto de 20 anos, contratado em maio de 2007 e que não jogou muito nas duas primeiras temporadas, parece ter achado o caminho. O baile em Paulo Ferreira foi tão grande no 1º tempo, que Ancelotti teve que substituir o português.

Wigan 3 x 2 Arsenal
Inacreditável! O Arsenal fez 2 x 0 e parou de jogar futebol. Não foi para cima para tentar aumentar seu saldo de gols, mas também não corria riscos. A partida ficou nesse marasmo até que Watson, a dez minutos do final, descontou. Depois, aos 43’, o pobre goleiro polonês Fabianski levou um “mister chicken”. Soltou uma bola (que deveria ser socada) na cabeça de Titus Brambles. Era o sonho de título dos Gunners evaporando. E iria piorar. Dois minutos mais tarde, N’Zogbia disparou pela direita, cortou para o meio e mandou um chute maravilhoso que acertou a trave e entrou. O DW Stadium (que nome horrível de estádio) veio abaixo. O Arsenal também.

(valendo nada)

Blackburn R. 2 x 3 Everton
Jogão! Yakubu entrou aos 34’ do 2º com o jogo 1 x 1. Apenas 22 segundos depois desempatou a partida. Dois minutos mais tarde o Blackburn voltou a empatar. E aos 45’, o mesmo Yakubu cruzou para Cahill tocar para as redes (com o pé) e dar a vitória ao Everton – os onze gols de Cahill anteriores a esse na Premiership foram marcados de cabeça.

Portsmouth 1 x 2 Aston Villa
Outra atuação aguerrida do Pompey. David James pegou pênalti de Carew e a vitória só veio com aos 37’ do 2º tempo. Nathan Delfouneso, assim como Yakubu, marcou em seu primeiro toque na bola.

(valendo Premiership na temporada que vem)

Considerando que o Sunderland, 13º com 41 pontos, já está salvo, pode-se dizer que o Bolton agora lidera o campeonato do rebaixamento. E desconsiderando o Portsmouth, já rebaixado, o Burnley segura a lanterna. Hull e Wolves ganharam pontos importantes

Stoke C. 1 x 2 Bolton
Sensacional! Matt Taylor virou o jogo para o Bolton com gols aos 40’ e aos 43’ da etapa final.

Birmingham C. 0 x 0 Hull
Ponto importante para o Hull.

Fulham 0 x 0 Wolverhampton
Ponto importante para os Wolves.

Sunderland 2 x 1 Burnley
Resta pouca esperança ao Clarets. Bent marcou mais um está em terceiro na tabela de artilheiros com 23 gols, atrás de Rooney (26) e Drogba (25).

HOJE (segunda)

Liverpool ? x ? West Ham
O jogo é hoje, mas já se sabe que Fernando Torres está de fora do resto da temporada porque terá de operar o joelho. Sua participação na Copa ainda não está descartada. O tempo de recuperação gira em torno de 42 dias e faltam 53 para o Mundial.

Autor: Tags: , , , , ,

quarta-feira, 14 de abril de 2010 Sem categoria | 21:55

GOMES FRUSTRA VAN PERSIE

Compartilhe: Twitter

O outrora ridicularizado Gomes foi o grande heroi do Tottenham na vitória sobre o Arsenal por 2 x 1. Sem muito trabalho durante a partida, o brasileiro foi bombardeado nos últimos quinze minutos e chamado a fazer pelo menos quatro defesas muito difíceis. No fim do jogo foi, sem dúvida, o mais cumprimentado pelos companheiros de time.

O jornalista Barry Glendenning, do The Guardian, que fez o lance-a-lance da partida (excelente, por sinal), terminou seu trabalho dizendo:

“Acabou – o Tottenham venceu e mereceu… Seus herois foram um estreante de 19 anos e um goleiro brasileiro que um dia já foi motivo de chacota mas atravessou a tempestade de risadas para se tornar, na minha opinião, o melhor goleiro da Premier League.”

By the way, o primeiro gol do jogo foi marcado por Danny Rose, um meio-campista inglês de 19 anos que fez sua estreia na Premier League hoje. E foi tão golaço que Wenger rotulou o gol como “um em um milhão”. O segundo foi do jovem Gareth Bale que, acredito, seria reserva de Cole na seleção inglesa caso não fosse galês e sim inglês. Bendtner descontou bem ao seu estilo.

Sendo assim, o Arsenal viu um tabu de 21 jogos de Premier League, desde 1999, sem perder para o maior rival cair na hora que mais precisava dos três pontos para continuar sonhando com o título. E olha que o caminho dos Gunners seria levemente mais fácil que o do Chelsea (Wigan e Blackburn fora e City e Fulham no Emirates).

Como boa notícia, a torcida do Arsenal teve a volta de Van Persie, que entrou faltando uns 25 minutos para o final. Foi ele, aliás, que obrigou Gomes a fazer as defesas. Pelo que jogou nesse ¼ de partida fica impossível não especular em que lugar estaria o time de Wenger na tabela com o holandês no ataque.

Achei um videozinho legal sobre a história do Gomes nos Spurs. Vai desde quando ele ajudou o PSV a eliminar o time londrino da Copa da Uefa até o final da primeira temporada dele na Inglaterra, passando pelos frangos que engoliu no seu início no clube. Vale a pena assistir. Inclusive você, Dunga!

MAIS JOGOS DE HOJE:

| ASTON VILLA 2 x 2 EVERTON | Jagielka contra empatou nos acréscimos e os dois tropeçam na briga pela vaga na Liga Europa.

| WIGAN 0 x 0 PORTSMOUTH | Mais um resultado honroso do Pompey.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

domingo, 4 de abril de 2010 Sem categoria | 20:15

ONE MAN UNITED?

Compartilhe: Twitter

Dia 16/3, o Chelsea foi eliminado pela Inter. Cinco dias depois perdeu a liderança do Inglês ao empatar com o Blackburn. A fase era negra. Em Old Trafford, era tudo festa. Liderança no Inglês, classificação em cima do Milan e Rooney voando. Well, tudo mudou de novo. O Chelsea retomou a liderança enquanto o rival, além de perder a ponta do Inglês e o jogo de ida da Liga dos Campeões para o Bayern, perdeu também seu melhor jogador. Andam dizendo por lá que o Man United é time de um homem só: o One Man United. Mundo dinâmico, esse!

Manchester United 1 x 2 Chelsea
Apesar do gol da vitória impedido de Drogba, resultado justo. O Chelsea foi mais time no 1º tempo e, embora os Red Devils tenham melhorado no 2º, o time londrino continuou melhor. Sem Rooney, o time de Ferguson mostrou-se com pouco poder ofensivo e viu Joe Cole abrir o placar com um golaço de letra. O gol irregular de Drogba acabou tornando-se fundamental porque Macheda descontou dois minutos depois (sim, foi com o braço, mas foi sem querer e mão sem querer não é falta). Obviamente, o lado vermelho vai reclamar da arbitragem, mas o lado azul pode contra-argumentar que Gary Neville fez pênalti em Anelka (se não engano) – eu acho que foi. Polêmicas à parte, Malouda jogou muito, Anelka foi muito bem e as entradas dos marfineses Kalou e Drogba (será que Dunga assistiu o jogo?) decidiram a partida. Alex entrou jogando na zaga do Chelsea e esteve bem. Tem potencial para ser titular da Seleção Brasileira, mas precisaria jogar com mais freqüência. Bellettão ficou no banco. Será que ele perdeu a posição (de reserva) para o Paulo Ferreira?

Arsenal 1 x 0 Wolverhampton
Ai,Jesus! Gol aos 49’ do 2º tempo, do jeito menos “Arsenal” possível. Chuveirinho na área e gol de cabeça de… Bendtner. Foi um parto para sair esse gol e o goleiro dos Wolves Marcus Hahnemann foi quem dificultou as coisas para os Gunners. Mas no fim, Sagna cruzou na medida para o dinamarquês, que havia entrado no lugar de Eduardo, abrir o placar. Foi o 18º gol nos últimos dez minutos de jogo do time de Wenger. Com a derrota do Man United, o Arsenal volta para a briga. Denilson jogou e foi discreto.

Bolton 0 x 1 Aston Villa
Importante vitória para os Villans. Se as chances por uma vaga na Champions são mínimas, ainda é importante garantir a sexta ou sétima colocação que os levam para a Liga Europa. O gol da vitória veio com Ashley Young.

Portsmouth 0 x 0 Blackburn
Mesmo jogando com dez nos últimos 30 minutos, o time de Avram Grant mostrou novamente brio. Esse mísero pontinho e mais o empate dos Hammers foram suficientes para adiar por uma semana o rebaixamento matemático da equipe.

Stoke City 2 x 0 Hull
O retrospecto do Hull fora de casa é ridículo: 1 vitória em 30 jogos. Mas mesmo assim, pelo que jogaram no 2º tempo, os Tigers mereciam mais sorte. Ainda mais levando-se em conta que Boateng foi nocauteado por um chute de bicicleta de Tuncay e o time de Iain Dowie teve que jogar os últimos 15 minutos com um a menos – quando buscavam o empate, levaram o segundo. Geovanni entrou no 2º tempo, mas não resolveu.

Sunderland 3 x 1 Tottenham 
Foi um belo jogo de futebol, mas isso não consola o torcedor dos Spurs. O time de Londres foi ultrapassado pelo City na briga pela Champions. Gomes pegou dois pênaltis, mas falhou no primeiro gol soltando uma bola no pé de Bent. Darren Bent, por sua vez, jogando contra sua ex-equipe daqual saiu brigado, marcou duas vezes, mas perdeu dois pênaltis. Esse desperdício poderia ter custado caro. Com 2 x 0 no placar (e esses dois pênaltis perdidos), Crouch entrou e descontou de cabeça (fazendo falta no zagueiro, como ele costuma fazer e como os árbitros costumam não marcar). O gol colocou fogo na partida, mas outro substituto, o holandês Zenden, ampliou para o Sunderland. E foi um golaço, de voleio, candidato a gol da temporada.

Burnley 1 x 6 Manchester City
1’01’’, bola na trave de Adam Johnson.
3’01’’, 1 x 0, Adebayor.
4’44’’, 2 x 0, Bellamy
6’20’’, 3 x 0 Tevez.
O massacre durou 6 minutos e o logo após esse terceiro gol, já era possível ver torcedores do Burnley indo embora. Aos, 19’, depois de cobrança de escanteio, Vieira marcou seu primeiro gol pelo clube e, ainda no 1º tempo, Adebayor ampliou. Na 2ª etapa, Kompany ampliou aos 12’ e foi só, o City tirou o pé. Fletcher diminuiu aos 27’. Os Citizens, apesar da inesperada derrota para o Everton em casa, estão com a mão na sonhada vaga da Champions.

HOJE

Birmingham 1 x 1 Liverpool
Oito tentativas e Rafa Benitez nunca ganhou dos Blues de Birmingham em seis anos de Liverpool. Seis tentativas e nenhum dos top 6 da Premier League conseguiu bater a equipe de Alex McLeish jogando no St. Andrews nesta temporada. Todos empataram. No jogo, Gerrard e Torres não estavam bem. O espanhol foi substituído e saiu de cara feia. Já o inglês, mesmo sem desfrutar do melhor de sua forma, fez um golaço e ainda deu um lançamento primoroso no peito de Babel já no final da partida que o holandês não soube concluir. Por pouco que os Reds não levam os três pontos graças a um Gerrard meia-boca.

Fulham 2 x 1 Wigan
De virada, mas é muito tarde para o Fulham querer qualquer coisa. Agora é foco total na Liga Europa.

Everton 2 x 2 West Ham
Yakubu parecia ter decretado a vitória dos Toffees aos 40’ do 2º tempo, mas Ilan, o brasileiro, empatou dois minutos depois tirando os Hammers da zona de rebaixamento. O ex-jogador do Atlético-PR havia entrado aos 33’ do 2º no lugar de Mido que havia perdido um pênalti na 1ª etapa. O West Ham ainda corre sério risco.

Autor: Tags: , , , ,

domingo, 27 de dezembro de 2009 Sem categoria | 23:01

A RODADA DE NATAL

Compartilhe: Twitter
  
Rooney: onipresente (foto AP)

Rooney: onipresente (foto AP)

Hull 1 x 3 Manchester United
Show de Rooney:
– 1 x 0: cruzamento de Fletcher, gol dele.
– 1 x 1: recuou uma bola errada para o goleiro e, na seqüencia, Rafael acabou cometendo pênalti.
– 2 x 1: caiu pela direita, cruzoue Dawson marcou contra.
– 3 x 1: caiu pela esquerda, colocou Berbatov na cara do gol para marcar praticamente sem goleiro.

O primeiro tempo foi muito pegado, cheio de faltas e passes errados – parecia jogo do campeonato brasileiro. O garoto brasileiro Rafael, fez bela jogada pelo meio e acabou na cara do gol, mas chutou mal. Logo em seguida, Rooney colocou os Red Devils na frente, injustamente. O empate caberia melhor. Na segunda etapa, o Manchester continuou mal. Os três pontos só vieram porque o Hull não tem ninguém que decide (Geovanni entrou faltando sete minutos) e o Manchester tem Rooney. Taticamente, o jogo foi muito parelho. O árbitro Alan Wiley é aquele que Alex Ferguson rotulou de unfit (fora de forma) dois meses atrás. Coincidência ou não, Beown cometeu um pênalti no 1º tempo (difícil de ver, é verdade) e Evra poderia ter sido expulso na etapa final.

Arsenal 3 x 0 Aston Villa
Show de Fabregas:
– O espanhol começou no banco.
– 12’ do 2º: entrou no lugar de Denilson.
– 20’ do 2º: faz 1 x 0 em cobrança perfeita de falta.
– 36’ do 2º: contra-ataque fulminante, passe de Walcott e o espanhol sai na cara do gol para marcar 2 x 0.
– Na sequência, Fabregas saiu machucado, aparentemente com o mesmo problema na coxa queo afastou dos últimos jogos.
– 46’ do 2º: Diaby fechou o placar com um belo gol.

Cesc Fabregas pode ficar longe dos gramados por três semanas, mas levando em conta que o rival era o Aston Villa, perseguidor direto dos Gunners e time que derrotou Chelsea, Man United e Liverpool nesta temporada, a contusão de certa forma não foi em vão.  

Liverpool 2 x 0 Wolverhampton
Quando a coisa parecia perdida, Gerrard decidiu sacar uma raça de coelho que não costuma sair da sua cartola. Saiu voando, atropelou dois zagueiros e acertou uma cabeçada fulminante (ou seria uma nucada?) para colocar os Reds na frente aos 17’ do 2º. Oito minutos depois, Benayoun ampliou e garantiu os três pontos para alívio de Rafa Benitez.

Manchester City 2 x 0 Stoke
Outra exibição pífia de Robinho. O brasileiro parece pesado e, apesar de não produzir nada, conseguiu concluir umas três vezes a gol. Ao dar lugar a Bellamy, a torcida, já farta das bolas perdidas por Robinho, aplaudiu demais a entrada do galês que quase marcou com poucos minutos em campo. O programa Match of the Day, da BBC, que passa os melhores momentos da rodada, fez uma seleção dos lances bisonhos do ex-santista na partida. E não foram poucos. De resto, a estreia de Mancini no comando do City foi tranquila graças, principalmente, a excelente atuação de Carlitos Tevez (mais uma vez). Shay Given fez mais dois daqueles milagres.

Birmingham  0 x 0 Chelsea
Primeiro jogo que o Chelsea passa em branco nesta temporada. E poderia ter sido pior. O bandeira anulou um gol legítimo do Birmingham no 1º tempo. Mas apesar do erro da arbitragem, foia excelente atuação de Joe Hart, goleiro do time da casa, que evitou a vitória do time de Londres. E também a trave, que quase foi partida em dois por uma bomba deAlex.

Daniel Sturridge começou jogando pela primeira vez pelo Chelsea e, por coincidência, foi contra o time pelo qual seu tio Simon jogou– seu pai, Michael, também se formou nas categorias de base do clube, mas não conseguiu chegar ao time principal.

Uma curiosidade para deixar os times grandes da Inglaterra com inveja: foi o 7º jogo consecutivo que o técnico do Birmingham, Alex McLeish, manda a campo os mesmos onze jogadores e, com isso, já são dez jogos invictos da equipe azul.

Fulham 0 x 0 Tottenham
Excelente jogo em Craven Cottage. A falta de gols deve ser creditada aos goleiros. O brasileiro Gomes, dos Spurs, parou o bom ataque do Fulham fazendo, pelo menos, quatro defesas bem difíceis. Schwarzer, por sua vez, fez um pequeno milagre defendendo um belo chute de Crouch e o rebote de Jenas. E ainda teve uma bola no travessão de Dempsey para o Fulham. Jogão!

West Ham 2 x 0 Portsmouth
Joguinho ruim mas os Hammers conseguiram o que precisavam: três pontos e dois dias fora da zona de rebaixamento.

Sunderland 1 x 1 Everton
Quarto empate consecutivo dos Toffees graças ao gol de Fellaini a seis minutos do fim. Bent marcou de novo para o Sunderland.

Wigan 1 x 1 Blackburn
Empate não foi bom para ninguém. McCarthy marcou seu primeiro gol da temporada.

Burnley 1 x 1 Bolton
Outro empate ruim para os dois. Matt Taylor fez de falta para o Bolton e Nugent empatou.

Autor: Tags: , , , ,

domingo, 8 de novembro de 2009 Sem categoria | 10:20

LEMBRANDO OS HERÓIS DE GUERRA

Compartilhe: Twitter

Rodada do Remembrance Sunday, domingo próximo ao Remembrance Day (11/11), dia de homenagear aqueles que perderam suas vidas em batalhas, principalmente a partir da 1ª Guerra Mundial. Daí o minuto de silêncio em todos os jogos do final de semana e aquela flor na camisa de vários times.

Fabregas, usando o “Poppy”, jogou muito de novo (foto AP)

Fabregas, usando o “Poppy” (flor vermelha em cima da palavra Fly), jogou muito de novo (foto AP)

Wolverhampton 1 x 4 Arsenal
Isso é que é receber bem as visitas! O Arsenal saiu na frente com dois gols contra do Wolverhampton. Depois ainda marcou mais dois com Fabregas e Arshavin (quando esse moleque vai parar de comemorar colocando o indicador na frente da boca? Parece que está mandando todo mundo calar a boca). Já são 36 gols em 11 jogos dos Gunners.

Eduardo da Silva, talvez ainda traumatizado por aquele pênalti cavado contra o Celtic, se apressou em avisar todo o mundo que o primeiro gol do Arsenal não havia sido dele (e sim contra). Ele recusava cumprimentos dos companheiros. Muito estranho. No segundo gol, também contra e também com a sua participação, a coisa já foi diferente. Eduardo comemorou e até mostrou uma camisa que dizia “Paz na Vila Kennedy, RJ”.

Aston Villa 5 x 1 Bolton
Se o John Carew jogasse assim uma vez por mês, certamente comparações com Thierry Henry pipocariam por aí de vez em quando. Foram três assistências e um gol do norueguês. Milner perdeu um pênalti, mas acabou fazendo no (segundo) rebote.

Blackburn 3 x 1 Portsmouth
Jason Roberts mostrou que está recuperado da gripe suína entrando no intervalo e fazendo dois dos três dos Rovers na vitória por virada. O Portsmouth, pelo menos por enquanto, dá uma congelada na sua recuperação.

Manchester City 3 x 3 Burnley
Nossa, que jogo! O Burnley abriu 0 x 2, levou a virada e depois empatou aos 43’ do 2º tempo. Sensacional! O Man City só empata. Já é o quinto seguido. Os Clarets conseguiram seu primeiro ponto fora de casa.

 

O City está empacado (foto AP)

O City está empacado (foto Getty Images)

Tottenham 2 x 0 Sunderland
“Foi por isso que vendemos você”, assim a torcida do Tottenham cantou após o pênalti desperdiçado por Darren Bent (ex-Spurs) que daria o empate ao Sunderland. Geralmente jogadores marcam contra seus ex-clubes, mas o goleiro brasileiro Gomes foi bem e defendeu a cobrança.

Justiça divina: Bent deu uma mergulhada no pênalti, Gomes pegou (foto AP)

Justiça divina: Bent deu uma mergulhada no pênalti, Gomes pegou (foto AP)

Autor: Tags: , , , , ,

quarta-feira, 2 de setembro de 2009 Sem categoria | 00:16

MENOS BRASUCAS NA PREMIER LEAGUE

Compartilhe: Twitter

Fechou hoje a janela de transferências na Inglaterra. Talvez seja só por causa da crise, mas acho que o mau desempenho dos craques tupiniquins nos campos ingleses fez o número de brasileiros cair na Premier League em relação à temporada passada. Agora são 16, enquanto que em 2008/2009 eram 22.

Deco, Afonso Alves, Jô, Robinho foram contratados por muito dinheiro e não corresponderam às expectativas. Robinho, por exemplo, também se envolveu em confusão fora de campo. Elano brigou com o técnico, Deco brigou com a torcida… Essas coisas, de certo modo, queimaram um pouco o filme dos brasileiros por lá.

Os times com brasucas (ou naturalizados) na Premier League hoje são:

Arsenal
Denílson (V) e Eduardo (A)

Chelsea
Belletti (LD), Alex (Z) e Deco (M)

Everton
Jô (A)

Hull City
Geovanni (M)

Liverpool
Diego (G), Lucas (V/M) e Fábio Aurélio (LE)

Man City
Robinho (A) e Sylvinho (LE), o único que chegou

Man United
Rafael (LD), Fábio (LE) e Anderson (V/M)

Tottenham
Gomes (G)

Aston Villa, Birmingham, Blackburn, Bolton, Burnley, Fulham, Portsmouth, Stoke City, Sunderland, West Ham, Wigan e Wolves não têm brasileiros.

Os sete brasucas que deixaram a Premier League são:
– Elano (do Man City para o Galatsaray)
– Gláuber (do Man City, sem clube)
– Afonso Alves (do rebaixado Middlesbrough para o Al Saad, do Catar)
– Cláudio Caçapa (do rebaixado Newcastle para o Cruzeiro),
– Gilberto (do Tottenham para o Cruzeiro)
– Rodrigo Possebon (emprestado do Man United para o Braga, de Portugal)
– Mineiro (do Chelsea para o Schalke 04)

E já que A Bola na Bota fez uma seleção de brasucas na Série A italiana, vai aqui minha Seleção Brasileira da Premiership. Tive que improvisar o Belletti na zaga.

– Gomes,
– Rafael, Alex, Belletti e Fabio Aurélio
– Denilson e Lucas
– Deco e Robinho
– Eduardo e Jô
No banco: Diego, Anderson, Geovanni, Sylvinho e Fábio

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. Última